28 de maio de 2013

Construção - Reutilizar materiais e usar recursos locais

"Paredes de pneus, terra e latas; recolha de águas pluviais para usos diários; aproveitamento da luz solar para aquecimento de águas e das habitações; uso de coberturas ajardinadas melhorando a climatização das habitações e aumentando a área de solo permeável; espaços exteriores com a reutilização de diversos materiais, entre outros."

Esta é a descrição que consta na página do Facebook da "Casa Ecofixe" (e donde foram retiradas as imagens), uma moradia que um jovem casal está a construir na na freguesia de Alvarelhos, concelho daTrofa.

As principais motivações para a escolha desta técnica construtiva foram o custo inferior ao da construção tradicional, a procura por um tipo de construção sustentável, através da aplicação de materiais reutilizados e reciclados, e do uso de materiais locais, disponíveis nas proximidades (num raio de poucos quilómetros), e também a eficiência energética, através da minimização dos gastos energéticos futuros e da maior autonomia.

Entre as dificuldades que apareceram, pois a ideia surgiu há já alguns anos, esteve a demora em  arranjar um construtor que abraçasse o projeto, mas acabou formando-se uma empresa de construção para o efeito.



O projeto é da autoria do arquiteto João Pereira e da arquiteta paisagista Graça Silva, e tem tido assessoria técnica na execução do    arquiteto Armindo Pereira de Magalhães, de V. N. Famalicão.

Esta construção é baseada no conceito "Earthsip", desenvolvido por Michael Reynolds desde cerca de 1970.

Embora já existam vários casos de moradias em construção ecológica, espero que o destaque dado a este caso nos meios de comunicação sirva para que se comece a perceber que há muitas possibilidades de construção para além do betão e do cimento, e muitas delas são bem mais sustentáveis e económicas.

Mais sobre a história desta casa em  O Notícias da Trofa, em Studio Roulette e em Público P3, e vídeos na TrofaTV e em RTP notícias


Nota: este artigo é semelhante ao publicado no blogue Sustentabilidade é Acção, em 26/4/2013

20 de maio de 2013

Intervir - Pelo direito à ÁGUA de todos

Um bem tão precioso como a água, não pode ser objeto de lucro, cobiça ou ganância.  

Em Portugal, a legislação tem vindo a ser alterada, aos poucos e quase subrepticiamente, para permitir a privatização da água.

Está nas nossas mãos impedir que a água seja privatizada. 

Se nada fizermos, em breve veremos a água privatizada. E os exemplos pelo mundo fora demonstram o erro crasso que é privatizar a água. Alguns, já perceberam e voltaram a remunicipalizá-la, embora com enormes custos. Outros ainda acham que estão de mãos atadas.

Pela água de todos, veja, ouça, pense e aja!  Manifeste-se e assine:



JUNTOS, TEMOS MAIS FORÇA!

8 de maio de 2013

Joaninhas - preciosa ajuda na agricultura biológica

Imagem de Wikimedia
Larva de joaninha-dos-sete-pontos (coccinella septempunctata), uma das cerca de 5000 espécies de joaninhas, e a mais comum na Europa.

Depois da fase larvar, a joaninha passa pelo estádio imóvel de pupa, normalmente agarrada a uma folha ou caule e eclode com a forma adulta, mas amarela. Depois vai alaranjando e ganhando as pintas até ficar com o aspecto final da joaninha dos sete pontos,

As joaninhas são predadoras vorazes de pequenos insetos, como pulgões, moscas da fruta, piolhos das folhas e ácaros, tanto em larva como adulta. Uma joaninha pode comer mais de 200 pulgões por dia, embora também se alimentem de néctar e folhas - são omnívoras.

Por esse motivo, são preciosas como auxiliares em agricultura biológica, mas são muito sensíveis aos pesticidas usados na agricultura convencional, por isso aí não aparecem.
Imagem de Wikipedia

Metamorfose das joaninhas:
http://youtu.be/GLMZI8_69bg
http://youtu.be/daOBpw4-jXA

Mais em:
http://diariodebiologia.com/2010/02/que-bicho-e-esse-5/
http://www.ninha.bio.br/biologia/joaninhas.html

Conheço as joaninhas adultas desde criança, mas foi preciso começar a minha horta (biológica) em 2011 para conhecer as larvas de joaninha. Quando as vi, a minha reacção foi "mas que bicho é este, rastejante, cinzento e com manchas cor de salmão?" e só fiquei a saber depois de pesquisar. 

3 de maio de 2013

INTERVIR_Pelas Sementes Livres!!!

"No próximo dia 6 de maio o Parlamento Europeu irá votar uma diretiva intitulada Lei das Sementes. Esta lei promove a obrigação de registar toda e qualquer variedade de planta de cultivo, mesmo as utilizadas em hortas familiares, por agricultores tradicionais ou em mercados locais, acarretando custos e processos administrativos proibitivos para a produção em pequena escala, discriminando severamente as sementes e material de propagação de plantas de polinização aberta, regionais e tradicionais, a favor das sementes industriais e dos operadores corporativos.
sementeslivres_titom_web_high
Imagem retirada daqui
Neste momento está em curso a Campanha pelas Sementes Livres em todos os Estados-Membros da União Europeia. Em Portugal a campanha é dinamizada pelo Campo Aberto, GAIA, Movimento Pró-Informação para Cidadania e Ambiente, Plataforma Transgénicos Fora e Quercus, para além de contar já com várias dezenas de subscritores."
in Drops

"Unindo cidadãos preocupados, agricultores, criadores independentes e organizações e associações sem fins lucrativos por toda a Europa, esta campanha visa inverter o rumo da agricultura na Europa, onde os modos de produção intensivos se sobrepõem cada vez mais à agricultura tradicional e de pequena escala e onde as variedades agrícolas e as próprias sementes, a base da vida, estão a ser retiradas da esfera comum e entregues nas mãos de multinacionais do agro-negócio. A expressão mais recente desta tendência é a legislação a ser proposta pela Comissão Europeia para restringir a livre reprodução e circulação de sementes, fechar variedades de plantas agrícolas anteriormente pertencendo ao bem comum em patentes e ilegalizar as variedades não registadas. A nova 'Lei das Sementes' visa retirar o papel de curador da semente ao agricultor, papel esse que desempenhou, com proveito para toda a humanidade, desde o nascimento da agricultura e da civilização há 10.000 anos!"
in GAIA

A recolha, troca e venda de sementes devem ser permitidas a todos e não apenas a grandes empresas!

Assinem esta petição, subscrevam esta carta aberta ao Presidente da Comissão Europeia e/ou enviem vocês mesmos uma adaptação dessa carta a jose-manuel.barroso@ec.europa.eu., para rejeitar a proposta para Lei das Sementes, em nome da soberania alimentar!