30 de janeiro de 2017

De onde vêm os seus alimentos, sabe?

O vídeo abaixo mostra como no Brasil os pequenos agricultores e os consumidores que se preocupam com uma alimentação e agricultura sem venenos ("agrotóxicos") estão a dar a volta ao grande poder das multinacionais agroquímicas ou grandes cadeias de distribuição. Associações de agricultores ecológicos, feirinhas onde o produto chega diretamente do produtor ao consumidor,  encurtando os circuitos dos alimentos, reduzindo ou eliminando os intermediários que levam a grande fatia do lucro, se não todo.
Imagem obtida aqui
Nas AMAP, Associações de Manutenção de Agricultura de Proximidade, aliadas à agricultura biológica certificada, em que os associados consumidores pagam adiantado para que os agricultores possam pagar as despesas de produção, e recebem em cabazes com os produtos da época. Isto permite um pagamento justo ao produtor, preços mais baixos, e alimentação mais saudável.

Em Portugal, felizmente já começam a aparecer AMAP, agricultura de proximidade (não necessariamente de produtos biológicos certificados), que tratam de “uma parceria direta, baseada na relação humana entre o grupo de consumidores e um ou mais produtores, onde os riscos, responsabilidades e recompensas da produção agrícola são partilhadas, através do estabelecimento de uma ligação de longa duração.” (daqui). Um excelente caminho para a agricultura em pequena escala, e sobretudo, para a agricultura biológica. O poder está na mão de cada um, quando escolhe o que e onde compra, e sobretudo quando se informa de onde vem os seus alimentos (e não só, claro).

(Fonte: blogue parceiro Sustentabilidade é Acção)