28 de maio de 2013

Construção - Reutilizar materiais e usar recursos locais

"Paredes de pneus, terra e latas; recolha de águas pluviais para usos diários; aproveitamento da luz solar para aquecimento de águas e das habitações; uso de coberturas ajardinadas melhorando a climatização das habitações e aumentando a área de solo permeável; espaços exteriores com a reutilização de diversos materiais, entre outros."

Esta é a descrição que consta na página do Facebook da "Casa Ecofixe" (e donde foram retiradas as imagens), uma moradia que um jovem casal está a construir na na freguesia de Alvarelhos, concelho daTrofa.

As principais motivações para a escolha desta técnica construtiva foram o custo inferior ao da construção tradicional, a procura por um tipo de construção sustentável, através da aplicação de materiais reutilizados e reciclados, e do uso de materiais locais, disponíveis nas proximidades (num raio de poucos quilómetros), e também a eficiência energética, através da minimização dos gastos energéticos futuros e da maior autonomia.

Entre as dificuldades que apareceram, pois a ideia surgiu há já alguns anos, esteve a demora em  arranjar um construtor que abraçasse o projeto, mas acabou formando-se uma empresa de construção para o efeito.



O projeto é da autoria do arquiteto João Pereira e da arquiteta paisagista Graça Silva, e tem tido assessoria técnica na execução do    arquiteto Armindo Pereira de Magalhães, de V. N. Famalicão.

Esta construção é baseada no conceito "Earthsip", desenvolvido por Michael Reynolds desde cerca de 1970.

Embora já existam vários casos de moradias em construção ecológica, espero que o destaque dado a este caso nos meios de comunicação sirva para que se comece a perceber que há muitas possibilidades de construção para além do betão e do cimento, e muitas delas são bem mais sustentáveis e económicas.

Mais sobre a história desta casa em  O Notícias da Trofa, em Studio Roulette e em Público P3, e vídeos na TrofaTV e em RTP notícias


Nota: este artigo é semelhante ao publicado no blogue Sustentabilidade é Acção, em 26/4/2013

5 comentários:

  1. Acho fenomenal que a Câmara esteja a permitir este tipo de construção! :-)
    Um projecto pioneiro que, espero, abrirá portas para muitos mais! :-)

    Obrigada pela partilha Manuela! :-)

    ResponderEliminar
  2. Olá Sónia
    Espero que muitos sigam o exemplo de construção mais sustentável, nestes materiais ou em terra (taipa ou adobe), fardos de palha, etc., e que as Câmaras, bem como a legislação de construção (que não é fácil) se adaptem depressa!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Muito boa essas idéias, os materiais são fáceis de encontrar e a mão de obra depende também da criatividade! #Work

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso mesmo, Alex, da criatividade e também da cooperação. Obrigada pela visita.

      Eliminar